Modern Vampires of the City é daquele tipo espontâneo de música boa

O Vampire Weekend sempre foi uma banda conhecida por sua música excêntrica e divertida. Eles são uma banda pop, afinal de contas. Eles rimam “horchata” com “balaclava”. Eles gostam de brincar.

E Contra, seu álbum anterior, era sobre eles se aceitarem, e buscarem aqueles que os entendem, dentro de toda essa excentricidade. Eles provavelmente obtiveram sucesso, porque Modern Vampires of the City é mais seguro, mais simples e, assim, muito melhor. O Vampire Weekend achou, finalmente, o tom ideal.

Dá pra confirmar isso até nos shows. Por mais que Contra e o Vampire Weekend fossem bons, era simplesmente sofrível assistir a performance ao vivo de Ezra Koenig. Com Modern Vampires of the City a banda não só amadureceu, como explodiu. O próprio Koenig parece mais confortável com isso. E muito se sente na música. Repare em “Unbelievers”, a música mais parecida com aquilo que vimos anteriormente no Vampire Weekend.

Há ali o tom rápido e brincalhão, mas ele está ligeiramente diferente. Parece que o Vampire Weekend não se interessa mais em fazer aquela música divisiva que era sua marca logo na estreia. Eles encontraram na sutileza de faixas como “Everlasting Arms” e “Don’t Lie”, contando para nós as fábulas cotidianas da banda, como em “Finger Back”, “Hudson” e “Step”. Mesmo com explosões melódicas de “Diane Young” ou na própria “Unbelievers”, sentimos a diferença.

O Vampire Weekend continua brincalhão, continua único na irreverência. Mas eles finalmente acertaram o ponto naquela simplicidade da melodia e na excentricidade. Depois de se aceitar com Contra, eles finalmente mostraram em Modern Vampires of the City, do que eles realmente são capazes.

Comentários

Comentar

Comentários são moderados, então pode demorar um pouco para o seu aparecer no site.

Seja legal e siga nossa etiqueta de comentários.